Ciclo de Silêncio

Também conhecido como: Pinakarri

Contexto

Pode ser em uma reunião em qualquer um dos modos, em contexto de planejamento estratégico ou qualquer momento que a dinâmica do grupo pedir um breve momento de silêncio.

Problema

Com o fluxo de informação do dia a dia e o turbilhão de coisas que passam pelas nossas mentes fica perder o foco ou a qualidade da nossa presença durante as reuniões. Às vezes também nos exaltamos por não ter as nossas preferências atendidas, por não ter controle da situação ou simplesmente por não ter descansado bem na noite passada. Em outros momentos deixamos de dar valor a pequenos momentos de colaboração e precisamos de rituais para agregar significado aos processos. São muitas as situações em que um ciclo de silêncio pode ser utilizado. Seguem aqui alguns exemplos: Pessoas falam simultaneamente. A qualidade de interação do grupo baixa e precisa de uma breve pausa para recomeçar. Vamos entrar em outro modo de reunião ou terminar a reunião e precisamos de uma forma simbólica para encerrar o processo. Queremos sentir a sabedoria que emerge do campo evolutivo e alinhar o nosso propósito. Estamos desenhando estratégias que possuem demasiada teoria e a participação não está equilibrada.

Forças

Um check-in tradicional pode não ser suficiente para criar um ambiente que favoreça a presença ou que ofereça uma quebra em um dia difícil ou confuso.

Solução

Os ciclos de silêncio são muito úteis para nos conectar com o propósito dos nossos papéis e círculos. Ao iniciar qualquer modo de reunião @ facilitador@ pode usar um sino ou algum som que foi previamente consentido pelo grupo para iniciar e terminar ciclos de silêncio. Isto vai criar uma atmosfera serena e propícia para a cooperação. Durante o ciclo de silêncio os participantes são convidados a sentir o peso do corpo, respirar profundamente e posicionar a língua no palato para reduzir o diálogos interno. Embora semelhante, o ciclo de silêncio não é um processo de meditação profunda e é recomendado não durar mais que 1min.

É um ritual cíclico que pode ajudar a os membros de uma organização a conectarem-se com o propósito do seu processo evolutivo enquanto seres humanos, comunidade e planeta.

Dicas para boas práticas Utilizar um sino ou algo que faça um som sutil para ativar os ciclos de silêncio. Não confundir o ciclo de silêncio com um pedido de silêncio. Deixar o padrão como algo que pode ser invocado a qualquer momento pelo grupo.

Contexto resultante

Com uma utilização constante dos ciclos de silêncio os participantes conseguem se manter focados, bem dispostos e serenos.

Fundamentação

Este padrão foi inspirado no Dragon Dreaming, uma metodologia de design colaborativo de projetos. A questão da língua no palato é fundamentada através da pesquisa de Steven Pinker que em seu livro Instinto da Linguagem levanta a hipótese de que a nossa língua se mexe enquanto estamos pensando. Este é um fenômeno conhecido como subvocalização. Manter a língua no palato ajuda a parar a subvocalização(Pensamentos Interno) porque a língua e pregas vocais se movimentam independente de falarmos nossas ideias em voz alta. Se a língua não mexe, o fluxo de pensamento interno fica um pouco mais suave. Naturalmente que não é algo que vai silenciar completamente os pensamentos. O ciclo de silêncio pode ajudar a propiciar uma comunicação generativa, diálogo aberto e clareza nos modos de reunião.

Usos conhecidos

Já foi usado ao menos em 10 mil projetos ao redor do mundo em todos os tipos de organizações e comunidades. É uma conhecida técnica de facilitação e já foi adaptada em métodos diferentes como Art of Hosting, Wisdom Council, Work That Reconnects e outros.

Padrões relacionados

Outras práticas do Dragon Dreaming.

Autor: Ravi Resck